Page 11 - Censo MCA 2021
P. 11

11     C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A C O L H I D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O




                   Tais fatores contribuíram para a drástica redução do número de novos acolhimentos no ano de 2020.

                   Por ocasião da apresentação do 25º Censo MCA, realizamos estudo comparativo dos períodos de abril a junho
            de 2019 e abril a junho de 2020, constatando a ocorrência de 1.365 acolhimentos no primeiro período e apenas 638 no

            segundo, o que evidencia uma redução de mais de 50% no número de novos acolhimentos.
                   No entanto, com o avanço da vacinação e a flexibilização das medidas sanitárias em algumas localidades,

            o número de denúncias do serviço “Disque 100” voltou a registrar crescimento, ainda que não muito significativo,
            evidenciando a ampliação do escopo de proteção de crianças e adolescentes cujos direitos tenham sido violados.

                   O 27º Censo MCA, cujos dados foram coletados em 30 de junho de 2021, traz importantes informações sobre a
            realidade de crianças e adolescentes que se encontram em serviços de acolhimento familiar e institucional no Estado
            do Rio de Janeiro, demonstrando que o número total de crianças e adolescentes acolhidos, após significativa redução
            ocorrida desde o primeiro censo (de 3.732 em 2008 para 1.318 em 2021), tem se mantido em patamar estável, sem
            perspectivas de aumento.

                   No que se refere aos 10 (dez) principais motivos de acolhimento, os dados do 27º CENSO se apresentaram da

            seguinte forma:
                   1.  Negligência – representando 36,95% do total de acolhidos;

                   2.   Abandono pelos pais ou responsáveis – representando 9,03% do total de acolhidos;

                   3.  Situação de rua – representando 7,36% do total de acolhidos;

                   4.  Abusos físicos ou psicológicos contra a criança ou adolescente - representando 6,37% do total de
                       acolhidos;

                   5.  Em razão de sua conduta – representando 4,93% do total de acolhidos;

                   6.  Transferência de outro regime de atendimento – representando 4,2% do total de acolhidos;

                   7.  Abuso sexual/suspeita de abuso sexual – representando 4,2% do total de acolhidos;

                   8.  Responsável impossibilitado de cuidar por motivo de doença  –  representando  3,72%  do  total  de
                       acolhidos;

                   9.  Guarda ou tutela para família extensa mal sucedida (a partir de 2018) - representando 3,41% do total
                       de acolhidos;

                   10.  Entrega voluntária - representando 3,26% do total de acolhidos.

                   Merecem destaque no ranking dos principais motivos de acolhimento os casos de “Responsável  impossibilitado
            de cuidar  por motivo de doença”, que aparece no 27º Censo com maior número de incidências, quando comparamos
            a sua posição nos dois censos anteriores.
   6   7   8   9   10   11   12   13   14   15   16